Psicomotricidade Relacional na empresa

12 de maio de 2017

A Psicomotricidade Relacional aplicada como técnica de desenvolvimento de recursos pessoais nas organizações vem sendo largamente utilizada para aprimorar o potencial humano nas ações de seu cotidiano, interferindo positivamente na prevenção de saúde mental do trabalhador e da empresa. O início deste trabalho se deu na América do Norte, no ano de 1989, por José Leopoldo Vieira, trabalhando com profissionais do LCDC – Language and Cognitive Development Center – Boston/Estados Unidos.

No Brasil, as primeiras experiências voltadas para esse tema foram introduzidas, também por ele, com grupos específicos em Educação e Saúde.

Atualmente, essa prática tem se estendido a diversas empresas de pequeno, médio e grande porte; empresas como: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Procuradorias Gerais do Estado, Universidades, Hospitais, Secretarias Estaduais de Educação e vários segmentos da indústria e do comércio.

As organizações empresariais de um modo geral vêm investindo intensamente na melhoria da qualidade profissional de seus funcionários almejando aumentar a produtividade e a excelência na prestação de serviços. Entretanto, para alcançar essa qualidade técnica se faz necessário lançar um olhar além do que é concreto e palpável e investir na saúde mental e emocional do trabalhador.

O ser humano influencia e é influenciado pelo meio, é constituído de uma história pessoal que contém experiências e emoções que o levam a lutar por objetivos, sonhos e necessidades. As situações de trabalho são dinâmicas e conduzem tanto ao prazer quanto ao sofrimento do trabalhador, exercendo uma importante influência no grau de satisfação e produtividade, na identificação e identidade com o trabalho.

O indivíduo que produz, necessita estar num permanente contato com seu desejo de construir, sentindo-se capaz de realizar com prazer, o seu trabalho. Para lidar de forma equilibrada com relações de poder, é importante investir no desenvolvimento de suas qualidades pessoais tais como: autenticidade, coragem, autoconfiança, afetividade, disciplina, compromisso, humildade, integridade, disponibilidade, permeabilidade, tranquilidade, equilíbrio, poder, entre outros. Essas qualidades, por suas vezes, representam a base das estruturas das relações pessoais e grupais, que sedimentam o trabalho dos profissionais que fazem a empresa.

Consideramos que o profissional não é neutro, visto que se compromete inteiramente com a posição que ocupa, naquilo que acredita, com o que se diz e faz, com que é, ou “pensa” que é. Conforme o tom de voz que adota, o olhar que lança, o gesto que esboça, a sua mensagem adquire um valor específico para o conjunto de pessoas, assim como, há uma ressonância particular para alguns deles.

Sabe-se que o pelo desenvolvimento emocional proporciona o maior grau na concretização do potencial humano, e que o equilíbrio nas relações de trabalho, numa perspectiva ampla, é o resultado de um processo comunicativo autêntico que desemboca na autoafirmação do indivíduo, e no valor de cada um dos elementos implicados nesse processo. Essa autoafirmação compreende um conhecimento e uma aceitação de si mesmo.

Acreditamos não ser preciso, que o sujeito, situação ou objeto supostamente causador de um conflito, esteja dentro da dinâmica, para resolvê-lo, pois o que se vive a nível simbólico provoca ressignificações para internas vividas de forma bastante pessoal. É um repensar inteiro que terá repercussões em sua vida, no grupo, na equipe, no time.

A Psicomotricidade Relacional no âmbito empresarial centra-se essencialmente sobre a relação, isto é, sobre a observação e análise do que se passa quando pessoas entram em comunicação com outras pessoas. Nos dias atuais, a qualidade da comunicação está cada vez mais mediatizada por uma dinâmica relacional mais ou menos saudável, onde qualquer falha ou ruído provoca interferências significativas no desenvolvimento de qualidades pessoais essenciais não acesso do conhecimento e ao sucesso nos empreendimentos, tanto pessoais do trabalhador, quanto da empresa enquanto organização.

II Módulo do PHD Educacional – Universidade PositivoPsicomotricidade Relacional na Educação Infantil