Gravidez psicológica

4 de abril de 2013

Cientificamente chamada de pseudociese, a gravidez psicológica é um transtorno que se manifesta a partir de um grande desejo de engravidar ou o medo excessivo de engravidar. Vividos de forma inconsciente, fazem com que a mulher acredite estar grávida e até apresente sinais físicos de gestante.

Segundo a psicóloga Isabel Belaguarda, este tipo de transtorno também é considerado uma doença psicossomática, pois “todas as doenças orgânicas sofrem, inevitavelmente, influências da mente de quem as apresenta e as doenças mentais são traduzidas em sua intimidade, por processos bioquímicos”, comenta.

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais – DSM IV – TR (American PsychiatricAssociation – APA, 2002) a pseudociese está entre os sete  diferentes quadros, os transtornos somatoformes qualificados como Transtorno de Somatização sem Outra Especificação, utilizado quando os sintomas somatoformes não satisfazem os critérios de nenhum transtorno específico.

“Ou seja, a gravidez psicológica é uma situação em que a mulher, por razões psicofisiológicas, simula uma gravidez, estando o útero vazio, podendo, inclusive, alterar os níveis de alguns hormônios dosados no sangue ou na urina. Isso se deve a fatores biológicos e emocionais inconscientes, provavelmente envolvendo o hipotálamo e a região límbica”, explica à psicóloga.

SINTOMAS E DIAGNÓSTICO
Devido aos distúrbios psicofisiológicos envolvidos, a mulher que desenvolve a gravidez psicológica pode apresentar sintomas de uma grávida normal como enjôos, náuseas, ausência de menstruação, aumento do volume abdominal, início da lactação, entre outros sintomas. A paciente pode sentir, inclusive, o “bebê” mexendo dentro da barriga.

“É importante ressaltar que para ser considerado um transtorno Somatoforme, este não pode ser resultado de uma simulação consciente por parte do paciente. Portanto, a realização de um diagnóstico exige uma avaliação cuidadosa, realizada por profissionais capacitados para exercer tal função com propriedade”, orienta Belaguarda.

A psicóloga explica ainda que a ausência de atividade sexual compatível com gravidez, exames laboratoriais negativos para gravidez (embora alguns possam ser positivos), exames de imagens negativos, por exemplo, a ultrassonografia e exame ginecológico negativo, são os dados que ajudam a diagnosticar a pseudociese.

“O exame de sangue Beta HCG e os testes de gravidez das farmácias também conferem resultados positivos numa gravidez psicológica. O corpo ‘comprova’ que ela realmente está grávida, tratando-se de um problema psicológico que merece um tratamento adequado”, descreve.

COMO TRATAR
O tratamento deve ser basicamente psicoterápico. Entretanto, deve estar associado a uma indicação do ginecologista, inclusive, sobre a necessidade de fazer tratamento hormonal que irá regular a produção da prolactina, fazendo com que a mulher volte a menstruar. “Normalmente a paciente tem boa evolução e se cura sem maiores complicações. A administração de medicamentos fica reservada aos casos com patologia psiquiátrica associada”, finaliza a psicóloga.

Matéria publicada em 03 de Abril de 2013

http://www.oestadoce.com.br/noticia/gravidez-psicologica

deixe um comentario
III Seminário Teórico-Prático de Psicomotricidade Relacional – Florianópolis2 de Abril – Dia Internacional da Conscientização do Autismo.

Deixe um comentario

O seu endereço de e-mail não será publicado.